Emoções

por Viviane Gago

Nos dias atuais, estamos percebendo nossas emoções e o quanto elas impactam para o bem ou para o mal nossos comportamentos e ações para conosco e para com as demais pessoas?

Há algumas décadas se fala bastante de emoções, inteligência emocional etc tendo sido esse tema retratado em várias obras e sendo objeto de ferramentas para mapear as emoções das pessoas, porém questiono o quanto esse tema vem avançando realmente na sociedade?  E mais do que avançando, vem impactando positivamente a sociedade, seja de nós para nós mesmos ou de nós para com os outros?

Sem adentrar em discussões técnicas e científicas, de maneira simples, podemos dizer que a emoção é uma resposta do nosso organismo face a um estímulo externo. As complexidades de nós para nós mesmos, as relações com os demais e com acontecimentos que nos rodeiam causam impacto do qual é traduzido em algum tipo de emoção.

Lendo bastante sobre o tema, verifica-se que segundo pesquisas, até hoje não existe uma definição exata do conceito de emoção ou quantas emoções existem. O que se verifica é que o ser humano é capaz de vivenciar incontáveis emoções, principalmente porque os sentimentos que elas proporcionam em cada pessoa são muito específicos, únicos mesmo.

Nos atendimentos que eu faço ainda observo com muita constância cenários que além de machucarem muito as pessoas as impedem de sentir e entender suas emoções, gerando assim um grande imbróglio e também travas para o desenvolvimento. E mais que isso, impedindo que as pessoas tenham mais leveza e entendimento em suas  próprias  vidas e, por consequência proporcionem mais leveza e entendimento  na vida de outras pessoas.

Portanto acredito que levar a sério o assunto emoção e mergulhar no entendimento da mesma seja fundamental para uma vida melhor e de maior qualidade para nós mesmos e por consequência para as pessoas que nos rodeiam.

Verificando as estatísticas, estudo realizado pela Organização  Internacional do Trabalho ( OIT) e a Organização Mundial da Saúde ( OMS)  mostra que as perspectivas para  os próximos vinte anos são pessimistas no que tange ao impacto psicológico nos trabalhadores das novas políticas de gestão na organização  do trabalho, exageradas e deturpadas.

Referida pesquisa indica que predominará nas relações  de trabalho depressões, stress, angústias, desajustes familiares e outros danos psíquicos, denotando o dano ao meio ambiente laboral.

Brasil tem a maior taxa de transtorno de ansiedade do mundo, diz a OMS. Quanto a índice de depressão também é um dos cinco mais elevados do planeta.

No total, transtornos mentais, geram perdas de  US$ 1 tri por ano para a economia global ( fonte: Estadão – fev/2017).

Indo para o campo prático, vida real, retrato alguns dos cenários observados por mim e que  estão relacionados ao tema objeto do presente artigo :  a pressa e a auto cobrança excessiva.

Melhor explicando, observamos pessoas em uma busca incessante por produtividade, em que as mesmas tem pressa de muita coisa. Abrindo um pouco mais essa questão lembremos que, a grosso modo, ser produtivo significa criar mais e/ou melhor alguma coisa, gastando menos do que o que normalmente se gasta de recursos em geral ( tempo , dinheiro, energia etc). E pressa?  Pressa, também a grosso modo tem haver com falta de calma e paciência ao agir, precipitação, afobação e urgência.

Assim, questiono-lhes  o que pode advir de busca incessante por produtividade unida à pressa? Deixo a resposta para vocês pontuando  que não se pode desconsiderar da resposta aspectos como o  stress, depressão, ansiedade , síndromes que estão atingindo mais e mais pessoas de todas as idades, credos, sexo etc.

Uma pessoa com foco total em produtividade e com pressa, tem algum tempo para sentir, processar e compreender suas emoções?

Outro ponto que tenho observado muito nos discursos dos clientes é o aspecto relacionado a auto cobrança ou auto exigência excessivas. Sabe-se que estes aspectos prejudicam o desenvolvimento das pessoas e não precisa ser um grande especialista para saber isso. Por que? Porque sabemos que a pessoa que se cobra demais, costuma se dedicar muitas e muitas horas ao trabalho, o que muitas vezes pode levar a exaustão e; para essa mesma pessoa não existe um espaço de tempo para repor energia, criatividade e soluções diferentes e até melhores.

Nesse cenário também existe, infelizmente, cada vez mais  pessoas com  síndromes em que a “cabeça ( emoções , pensamentos e até ações ) começa a castigar o corpo e até a alma”, tornando a vida das mesmas um cenário preto e branco ao invés de colorido!

Vocês já devem ter visto, lido sobre  a expressão japonesa Karoshi, que traduzindo significa “morte por excesso de trabalho”, trata-se da morte súbita ocupacional.

Embora essa situação  extrema acometa qualquer pessoa, registre-se que o Japão é um dos poucos países que relatam estes casos nas estatísticas  como uma categoria de acontecimento separada das demais. As principais causas médicas das mortes pelo Karoshi são ataque do coração e derrame devido ao stress.

Apesar das várias síndromes que rodeiam a sociedade, por questão de impacto ,resolvi mencionar o Karoshi; pois traz à nossa reflexão até que ponto as pessoas podem chegar ( nesse cenário , na morte, por vezes até precoce), caso não despertem por si ou com o apoio dos outros para um modo de viver mais equilibrado, com mais sentido e mais feliz?

Outro aspecto importante a ser lembrado é  que tudo é relacionamento, o ser humano é por essência relacional, ainda que tenhamos pessoas que não apreciam muito o interagir com outras pessoas –  e o  ser humano não muito relacional é indicado socialmente , nos negócios , como  pessoa de processo-  mesmo esses não escapam da necessidade de ter contato com outros para a “vida e assuntos caminharem”, até porque ,afinal ,  ninguém faz nada sozinho, não é mesmo? Pensemos  que até para nascer e morrer precisamos de ajuda! Ou seja, as nossas emoções em algum momento vão esbarrar umas nas outras!

Por isso tudo a importância de despertamos para o entendimento das nossas emoções, pois elas criam sentimentos, que em algum momento poderão ser tornar  ações , as quais poderão ser boas ou ruins para nós mesmos ou para nós face aos outros.

Vamos mergulhar em nossas emoções para vivermos melhor e mais leves? Todos os seres humanos tem a possibilidade de melhorar e desenvolver suas emoções. A chamada inteligência emocional pode ser treinada, desenvolvida e aprimorada pela construção de novos hábitos, novas formas de pensar, se comportar e agir.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.