Se conectar com o que é essencial. Fazer escolhas para a felicidade.

Nestes últimos meses de junho e julho, ao sair alguns dias de férias, pensei e; também estou praticando o que estas duas sentenças acima trazem para mim, mas que sem dúvida alguma impactam bastante a vida da maioria de nós em cada fase da vida, fases essas que muito geralmente temos diferentes necessidades e até valores, os quais vamos ajustando ao longo do tempo.

Quando se está só, essas perspectivas acima afetam a uma só pessoa, quando estamos vivendo com outra(s) pessoa(s), o tema fica ainda mais complexo, pois mais de uma perspectiva está em jogo e alinhar isso tudo para seguir é importante para evitar conflitos ruins.

Fazer escolhas que afetam as pessoas ao nosso redor é desafiador, pois envolve outros olhares. Tomar decisões e até mesmo ter conversas difíceis requer coragem, clareza do que se quer do futuro e autoconhecimento, que é fundamental nesse processo.

Não basta ter as relações é importante saber mantê-las saudáveis. Como dizia meu falecido pai, relações são como plantas que devemos regar todos os dias.

Em definição livre, essencial é o indispensável, o necessário, é algo muito importante que não pode faltar. Se refere à essência, ou seja, a substância, o que é principal para cada indivíduo.

E felicidade tem a ver com estado de uma consciência satisfeita, com bem-estar e equilíbrio; ainda que não a todo o momento. Os especialistas dizem que não se é feliz o tempo todo, mas temos momentos de felicidade. Assim sendo, por qual motivo não corrermos atrás da maior quantidade possível de momentos felizes?

Por exemplo, antes da pandemia já se sabia que ambiente saudável, funcional era importante; pós pandemia este tema ficou ainda mais evidenciado quanto à sua relevância para muitas pessoas, que enxergaram a grande importância do bem viver em seus trabalhos, nas suas próprias casas e nas suas relações.

Conversando com executivos do mercado, eles compartilham a preocupação de que há colaboradores pedindo para sair de seus empregos em que foram recém-contratados, com duas semanas, um mês de convivência real nas empresas por conta de ambientes, que para eles, não foram classificados como bons e funcionais. Ou seja, as pessoas não estão ligando mais em fazerem passagens relâmpago pelas empresas e como irão justificar isto em seus currículos em outras oportunidades de emprego que surjam mais a frente.

Voltando aos meus dias de férias e os aprendizados deles decorrentes, vieram algumas coisas importantes:

  • Todos buscamos permanentemente coisas, que entendemos melhores, em determinado momento de nossas vidas e sob nossas perspectivas, obviamente;
  • Ambiente, seja ele qual for é importantíssimo, elemento essencial para o bem-estar e felicidade;
  • Ser visto, reconhecido e respeitado em todas as relações, outro ponto essencial; e
  • Estar no local e momento certos, que também envolve o elemento sorte é relevante para todos nesta vida.

Por último, aprendizado obtido ao longo da vida e reforçado nestas férias no maravilhoso Estado da Bahia conversando com o pessoal local, verifica-se que aquele, que independentemente de ganhar muito ou pouco; se souber planejar, organizar, gerenciar bem seus recursos economizando parte deles, consegue realizar muitas coisas nesta vida. Aqui abro um parêntese para dizer que tive o privilégio de me emocionar várias e várias vezes testemunhando pessoas em diferentes níveis culturais, educacionais etc. prosperarem dentro do cenário particular que vivem.

Compartilho aqui um destes momentos vividos, o convite que me foi feito pelos caseiros da Fazenda do meu cunhado e irmã, para conhecer a casa da filha única deles e a deles também em terrenos vizinhos. Chegando lá, lágrimas brotaram pela emoção de conhecer duas casas lindas e bem-feitas, fruto de trabalho, competência em gerir bem os recursos que ganharam e foco misturado com o sonho que tinham de terem uma moradia, ambiente saudável e bonito para viver.

E muitos outros exemplos há.

Quem me acompanha sabe como eu defendo o equilíbrio, o caminho do meio e do bom senso para percorrer a vida.

Fazer apenas o que se gosta, pensar somente em si próprio ou ir atrás de objetivos de curto prazo tende a afastar as pessoas do caminho da felicidade.

Quem opta por uma carreira corporativa em empresas busca realização profissional, aprendizado e inegavelmente recursos financeiros para sua subsistência.

O dinheiro é importante para colocar em prática vários sonhos, porém quando o esforço para obtê-lo coloca em xeque a saúde mental das pessoas ou traz um nível de stress que impede a felicidade seja usufruída, é de se repensar o caminho.

As empresas que entenderam que a satisfação dos colaboradores vai além da remuneração financeira, que trazem respeito e qualidade de vida ao seu time; o que se traduz em um ambiente saudável, têm mais resultado e fidelizam as pessoas.

O que é essencial para você? O que realmente de traz felicidade? Pensem nisso com muito carinho e atenção. Quanto antes descobrirem, maiores as chances de terem mais momentos de felicidade em suas vidas!

Abraços carinhosos,

Viviane Gago

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.