Um mundo melhor! Como está sendo nossa contribuição para isso?

por Viviane Gago

Difícil responder a essa pergunta, não?!

Sendo uma pessoa observadora e vivido algumas coisas, não ousaria fazer uma   reflexão fechada para essa indagação e, ao mesmo tempo, diria que nós, seres humanos, temos tudo haver com isso.

O que pretendo por meio desse e dos demais artigos que escrevo?

Quero compartilhar questões que me são sensíveis de maneira a estimular a reflexão de quem tiver interesse em ler os meus escritos, pois, quem sabe, de alguma forma contribuirá?

Quando trago à tona esse tema, a primeira coisa que me vem a cabeça é a seguinte pergunta:  quem somos nós, seres humanos?

Quando vamos para a Física Quântica, esta dispõe que: “Nós somos em POTENTIA as infinitas possibilidades”, ou ainda: “Somos absolutos e potentes magnetos ambulantes (por Fátima Abate- ICI)”. Alguns também dizem que somos pura energia.

Dentro da visão relacionada à espiritualidade somos uma “centelha divina de luz”. Somos amor.

Já na visão Jurídica, relacionada à minha carreira pregressa, vi questões interessantes e atuais sendo abordadas sobre nós, seres humanos, no livro do meu querido e estimado amigo Paulo Thomas Korte (Livro, Direito, Casamento e Amor: O casamento, um caminho para encontrar o Absoluto, Editora Noeses- 2017).

As referidas questões estão alinhadas com o que penso face às mudanças substanciais de interesses, necessidades e comportamento a que a sociedade está sujeita.

Vejamos então alguns trechos da referida obra:

Há uma passagem que menciona: “Se a Constituição Federal determina que todos são iguais perante a lei”, não mais precisaríamos dizer na legislação que homens e mulheres são iguais, nem que brancos e amarelos são iguais, nem que negros e mulatos são iguais. Por isso, para que haja coerência na linguagem da legislação com seu conteúdo normativo a respeito da igualdade, melhor seria que as pessoas fossem tratadas nas normas com o termo ser humano.”

Entendo que esse trecho diz muita coisa, vocês não acham?

E diz mais: “O conceito de homem e de mulher está em mutação. Com a evolução da consciência da humanidade, tende-se a acreditar que a única distinção geral de gêneros será a questão biológica, ou seja, a mulher será aquele ser humano que gera, e o homem aquele ser humano que produz a semente da fecundação. Os hábitos do dia a dia que dirão quem será o homem e quem será a mulher ficarão adstritos em cada relação particular, sem regra geral. Serão as pessoas, os casais que dirão qual será a dança e quem irá levar. As vezes um, às vezes o outro, mas o que importa é que seja uma dança harmônica, que gere felicidade e alegria. Não haverá mais padrão. Cada casal viverá segundo o método que melhor entenda adequado em busca da própria felicidade e da família.”

Segundo esses conceitos/questões levantadas, verifica-se que a tentativa de definição do que venha a ser o ser humano, quanto mais expandida e menos engessada; mais correta estará, até pela impermanência de todas as coisas, pelas alterações sociais e culturais, bem como as próprias demandas, que mudam de tempos em tempos. O conceito de ser humano não cabe em uma “caixa”, é amplo demais, pois nele cabem muitas e muitas coisas; e como mencionei essas coisas variam no tempo dependendo do comportamento, das necessidades, hábitos e costumes etc.

O fato é que a vida me mostrou e me mostra, que se o ser humano assumir comportamentos de algumas formas inquestionavelmente positivas, construtivas e que frutificam em coisas maravilhosas; o Mundo, quem sabe, poderá ficar melhor e, também, maravilhoso! Todos ganham!

Os seres humanos, com a evolução dos tempos, passaram de presas a predadores e hoje sabemos todos nós, que o homem é e pode ser o maior e único predador do próprio homem bem como o destruidor do meio em que vive. Por isso, a importância da consciência, da inteligência e do arbítrio serem usados para o bem, ou melhor dizendo, para a corrente do bem, onde o homem usa todos os seus atributos para fazer uma diferença positiva na humanidade e não o contrário, como demonstram alguns capítulos da História.

O ser humano é fonte e instrumento de conhecimento!

Quando conhecemos ou encontramos alguém, sempre há uma razão, que em verdade pode ser boa ou ruim.

Acredito firmemente que as pessoas que passam por nossas vidas nos ensinam, mesmo que seja o que não devemos fazer e repetir.

Explicando melhor, há pessoas “contrastes”, que são aquelas cujas atitudes servem para reforçar quem somos e o que não queremos nas nossas vidas. As atitudes e ações dessas pessoas são geralmente o oposto do que admiramos ou queremos para nós e isso também é válido quando pensamos em evoluir.

Cientes e conscientes que somos responsáveis por nossas ações, vejo que alguns comportamentos reiterados por

parte dos seres humanos trariam grande possibilidade de mudar o mundo para melhor!

Vejamos alguns exemplos.

A maneira como tratamos as pessoas nos diz muito sobre nós, sobre quem somos. As ações que executamos, tanto em relação a nós mesmos, quanto às demais pessoas, são muito mais relevantes do que o que verbalizamos. Exemplo por meio das ações é tudo!

O valor do respeito para conosco e também para com o outro é valiosíssimo!

Aceitar as diferenças é algo relevante para vivermos uns com os outros, cada um no seu estágio evolutivo.

As pessoas são o que são. Não se pode obrigar o outro a ser aquilo que precisamos ele seja; pensar o contrário é pura ilusão!

Algumas pessoas são os verdadeiros anjos das nossas vidas, como já escrevi em artigo anterior, essas pessoas têm empatia, respeito, compaixão, bondade e olham os demais de uma maneira sublime. Precisamos de mais seres humanos assim.

Há pessoas que enxergam com clareza os dons das outras, abrem caminhos improváveis, dão lições genuínas de bondade e amor ao próximo, são pessoas em que o amor se estende além das fronteiras de suas respectivas famílias.

Penso, também, que se o ser humano buscar realmente saber quais são seus verdadeiros   potenciais  e usar esses dons para o bem de outros, por meio de sua força de trabalho e, estando  portanto , essas pessoas nos lugares certos, usando o seu melhor para o benefício dos demais, tudo fluirá  melhor para si e para o todo.

Acredito também que precisamos mais e mais de pessoas com caráter reto, que pressupõe integridade, retidão dentre outras coisas relevantes relacionadas.

Conversando com uma grande amiga estávamos comentando que não é possível aceitar:   quebras de confiança, corrupção, tráfico de influência,  tráfico de órgãos, lavagem de dinheiro, violência, ausência de educação de qualidade acessível à todos , “questões bizarras disseminadas na “Web” e no que denominam “Deep Web” e tudo mais que testemunhamos diariamente seja do nosso lado, na nossa “bolha” particular ou em rede nacional.

Outro dia apareceu essa frase no meu celular que replico para vocês tal qual como veio para mim: “O que é errado continua errado mesmo que todo mundo esteja fazendo. O certo continua certo mesmo que ninguém esteja fazendo” (JP Costa).  Um resumo muito bom do que estou a dizer.

Se o movimento do individualismo ceder para o movimento de também olharmos as necessid ades dos outros, o todo estará melhor. Estamos construindo “bolhas” para viver uma ilusão, que não levará a uma melhora. Estamos fugindo mais e mais da realidade e isso não é bom.

Um passo de cada vez, gradativamente, pouco a pouco, podemos transformar vidas, cenários, situações e tudo isso também reverberará positivamente para todos nós.

Podemos começar esse movimento com quem está mais próximo de nós, depois expandir para outros cenários quem nem imaginamos. Pouco a pouco as transformações positivas começam a acontecer. Porém para isso, precisamos acreditar, ter foco, planejamento

e ação envolvidos. O melhor, o ideal é que as pessoas agissem pro- ativamente pelo amor e não pela dor (um assalto, um assassinado, roubo, furto etc).

Penso que os seres humanos, em sua grande maioria, querem a mesma coisa: amor, dignidade e uma atividade (labor) que desempenhem com felicidade, onde haja troca verdadeira e em que todos se beneficiem.

Sei que muitos pensarão:  se eu garantir a minha vida e da minha família já estarei fazendo muito ou a minha parte! Claro que este tipo de pensamento é correto, porém será que isso está fazendo com que o Mundo fique melhor? Aqui, cabem algumas outras reflexões: será que as coisas não são mais simples do que imaginamos? Será que só das pessoas não fazerem para as outras o que não gostariam que fizessem para si próprias ou aos seus entes queridos, já seria um enorme passo para um Mundo Melhor? As pessoas estão cientes que enquanto algumas crianças, com uniforme impecável em lindas escolas estão recebendo conhecimento; outras, no mesmo momento, estão ociosas nas ruas sem ter para onde ir? Estamos fazendo a nossa parte realmente?

O fato é que, verifica-se que muitos nem esse mínimo fazem; e esse não fazer independe de classe social, cultura e nível de instrução, pelo contrário. A estatística mostra que quem mais ajuda, quantitativamente falando, são os menos favorecidos. Por que será?

Observamos que as pessoas estão ficando tão doentes emocional e socialmente falando que não dão conta delas próprias, menos ainda da família e muito menos ainda de outras pessoas. Não está na hora de parar, refletir e mudar o rumo?

Infelizmente, os seres humanos, a sociedade está distanciando-se do bom senso e das boas práticas, deixando aflorar aspectos bem antigos e nada novos como: ira, soberba, avareza, inveja, preguiça e por aí vai.

Como sabemos, esses aspectos são antiquíssimos. Será que não está mais do que  na hora de mudar esses padrões e comportamentos que parecem dominar os seres humanos anos a fio, fazendo-nos duvidar da nossa força de fazer diferente?

Entendo que passou da hora de nos conscientizarmos que NÓS, SERES HUMANOS, SOMOS  OS RESPONSÁVEIS por um melhor ou pior cenário envolvendo o MUNDO Também passou da hora de agirmos e vivermos  em AMOR, COLABORAÇÃO, BONDADE , COMPARTILHAR E INTERCONECTIVIDADE! A evolução humana parece acontecer, porém lentamente. Acelerar esse processo de evolução seria uma ótima medida.

O que você está fazendo para contribuir para um mundo melhor, além de cuidar das coisas dentro de sua própria cerca?

One thought on “Um mundo melhor! Como está sendo nossa contribuição para isso?

  1. Anita de Cássio Paulo says:

    Perfeito seu texto Viviane
    Vc como sempre abrangendo com uma clareza de idéias todo conceito do ser humano em evolução.
    Acredito muito em caráter reto, bondade no coração e ver o outro com respeito.
    São três elementos básicos para crescermos espiritualmente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Open chat